TREINAMENTO CORPORAL COM ANA PAULA LOPEZ

31 de Julho, 2018

Através do trabalho de consciência e reestruturação óssea, trabalharemos com improvisações e explorações de diversas qualidades e dinâmicas de movimento. Esse trabalho tem o objetivo de ampliar o domínio do movimento no espaço e no tempo, além de exercitar a consciência do intérprete das imagens que cria em cena enquanto as cria. Cada participante (de dança, teatro ou performance) poderá levar uma cena, texto ou célula de movimento para investigarmos como os princípios técnicos podem redimensionar sua presença, potência e desenhos de cena, servindo como start para a criação cênica. 

Ana Paula Lopez é atriz, bailarina, preparadora corporal e diretora de movimento. Estudou a Técnica Klauss Vianna por 5 anos, formada em dança e Movimento pela Universidade Anhembi Morumbi, atriz pela Escola de Arte Dramática da USP. Fez a assistência de direção e direção de movimento do espetáculo Marte - Você está aí? Dramaturgia de Silvia Gomes e direção de Gabriel Paiva, assistência de direção e preparação de elenco de Acúmulos com o núcleo experimental do SESI, dramaturgia de Márcio Abreu e direção de Kenia Dias e Ricardo Garcia. Atualmente faz a assistência de direção do espetáculo Resposta ao Capataz com a direção de Kenia e Ricardo com a turma 67 da EAD- USP.

As inscrições podem ser feitas pelo email ecoteatral@gmail até o dia 10/08, com o envio de currículo e foto.

 Quando:  13, 14, 15, 16 e 18/08 das 09h30h às 13h 

Vagas: 20

Valor: Quanto achar justo

Local: Eco Teatral (Rua São Lázaro, 233 A / Bairro da Luz / Estações de metrô Luz ou Tiradentes)

INTENSIVO DE FÉRIAS CORPO E VOZ

15 de Junho, 2018

Em junho daremos um treinamento intensivo nos dias 25, 26, 27, 28 e 29/06 das 13h às 18h. Serão 25 horas em uma semana, no esquema pague quanto quiser, com apenas 20 vagas. Durante esse período compartilharemos alguns princípios utilizados no treinamento vocal e corporal desenvolvido no grupo Eco Teatral. Os encontros serão divididos em duas etapas, das 13h às 15h30 pesquisa vocal com o ator e preparador Bruno Cavalcanti, e das 15h30 às 18h treinamento corporal com o diretor Thiago Franco Balieiro, é imprescindível que os inscritos participem das duas etapas do treinamento em todos os dias da oficina. Abaixo seguem as descrições de cada etapa:

1º EATAPA – Pesquisa Vocal

Nessa primeira etapa do encontro refinaremos a percepção vocal participante entendendo que o trabalho vocal não é apenas a formalização do discurso do personagem, mas também a construção da materialidade da cena. A oficina propõe dois princípios paralelos e complementares: o primeiro é buscar a base do trabalho do ator, dilatação da presença, corpo poroso, entendimento da voz como movimento no próprio corpo e no espaço, criação de dinâmicas com o texto. E o segundo princípio é a dramaturgia do desejo: o aluno deverá trazer um texto (que não pode ser escrito por ele) que tenha relação com o que ele gostaria de dizer hoje. O que te interessa dizer como artista? A oficina se coloca como um lugar de pesquisa, de instrumentalização técnica do aluno para que ele se torne livre e seja dono do seu trabalho.

Bruno Cavalcanti

Inicia sua carreira como ator em Curitiba em 2003, sob a direção de Mauro Zanatta, participando de cursos de improvisação e commedia dell’ arte. Ainda em Curitiba participa de cursos no Act-ateliê de criação teatral, coordenado por Nena Inoue e Luis Mello. Nesse período participa dos espetáculos “Improvisadores” e “Contas Diárias” (espetáculo com pesquisa em máscaras expressivas e inteiras, eliminando o uso da voz e potencializando a expressão e poesia corporal) ambos sob direção de Mauro Zanatta. Em 2007 ingressa na Escola de Arte Dramática (EAD), e lá participa das seguintes montagens: “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” de Jorge Amado, direção de Cristiane Paoli Quito, “Mockimpó” de Peter Weiss, direção de Claudia Shapira, “A Ultima História”, direção de Tiche Viana. Em 2011 faz parte do espetáculo “O Mistério no Expresso do Oriente” direção de Maristela Chelala. Em 2012 participa da montagem do espetáculo “O Samba” com a Re.Ver.Em.Cia brasileira. É assistente de direção no exercício cênico “Meio tom lá Meio tom cá” direção de Silvana Garcia e Monica Montenegro. Em 2014 participa do espetáculo “Experiência”, direção de Cristiane Paoli Quito. Entre 2013-2016 participa da oficina “O corpooral” sob a orientação de Mônica Montenegro. Em 2017 é assistente nas aulas de voz de Monica Montenegro na EAD/ECA/USP. Desde 2017 ministra a oficina “A voz concreta” no Eco Teatral. Atualmente participa do “laboratório do ator” sob a orientação de Antônio Januzelli, o Janô.

2º ETAPA – Treinamento Corporal

Nessa etapa da oficina, em que o trabalho de relaxamento e aquecimento já foi iniciado na etapa anterior durante a pesquisa vocal, o encontro segue se desenvolvendo em torno de quatro exercícios que constituem a base do treinamento físico dentro do Eco Teatral, e tem como objetivo despertar percepções para aspectos como fluxo de movimento, prontidão, consciência corporal-espacial e ampliação do repertório físico. Nesse intuito, esperamos que os exercícios propostos gerem ferramentas para o trabalho do intérprete dentro da cena.

Thiago Franco Balieiro

Sua formação consiste por passagens pelo Centro de Pesquisa Teatral (CPT), Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (EAD/USP), e o curso de filosofia do Mosteiro de São Bento de São Paulo. Como diretor do Eco Teatral, realizou os trabalhos EDGAR e SALA DE ESPERA, sendo este último agraciado com 10 prêmios. Como ator, participou das intervenções urbanas MAUÍSMO e A ÚLTIMA PALAVRA É A PENÚLTIMA com o Teatro da Vertigem, e as peças OS 120 DIAS DE SODOMA com a Cia. Os Satyros, EL TRUCO e CINE BELVEDERE com a Cia. Bruta de Arte e direção de Roberto Audio, e participou dos processos de montagem de A FALECIDA e POLICARPO QUARESMA dirigidos por Antunes Filho. No cinema, participou dos filmes RIOCORRENTE de Paulo Sacramento, XINGU de Cao Hamburguer e CORAÇÕES SUJOS de Vicente Amorim, piloto para série 3%, entre outros.

As inscrições podem ser feitas pelo email ecoteatral@gmail até o dia 22/06, com o envio de currículo e foto.

 Quando: 25, 26, 27, 28 e 29 /06 das 13h às 18h 

Vagas: 20

Valor: Quanto quiser

Local: Eco Teatral (Rua São Lázaro, 233 A / Bairro da Luz / Estações de metrô Luz ou Tiradentes)

INTENSIVO DE FÉRIAS

22 de Dezembro, 2017

 

Em janeiro daremos um treinamento intensivo no ECO Teatral, nos dias 15, 16, 17, 18 e 19 das 13h às 18h. Serão 25 horas em uma semana, no esquema pague quanto puder, somente 20 vagas.

Trabalharemos com alguns princípios do Butô, Suzuki, alongamentos, abertura de espaços internos e o fortalecimento dos "músculos de base". Objetivo da oficina é a concientização do próprio corpo e apresentar ao participante técnicas que o amparem em cena. 

As inscrições poderão ser realizadas até o dia 08/01. Basta enviar currículo e uma foto 3x4 para o e-mail: ecoteatral@gmail.com.

DIÁLOGOS TEATRAIS

21 de Agosto, 2017

Todas as segundas-feiras às 19h30 acontece na sede do Eco Teatral os Diálogos Teatrais, evento gratuito que tem como objetivo aproximar o contexto teatral de outros países ao paulistano. Através das projeções de vídeos de peças clássicas (grupos ou diretores que marcaram o meio teatral no século XX ) ou contemporâneas (advindas principalmente das últimas edições de festivais como o de Avignon ou Edinburgh), analisamos em forma de debates, os meios e recursos pelo os quais os encenadores se expressam, atualizam obras clássicas da literatura ou teatro, inventam uma dramaturgia própria e reinventam o modus operandi  teatral. O evento é voltado principalmente para os trabalhadores das artes cênicas, mas aberto a qualquer pessoa que tenha interesse em debater o assunto.

Onde: Sede do grupo Eco Teatral / Rua São Lázaro, 233 A (Estações de metrô Luz ou Tiradentes)

Quando: Segundas-feiras às 19h30
Valor: gratuito

HOMO PATITUR

14 de Abril, 2017

Já podem anotar na agenda! Esse mês o grupo Eco Teatral apresentará seu novo trabalho "Homo Patitur" na Funarte SP. Depois de um ano e meio de ensaios, o solo baseado no Mito de Sísifo do escritor argelino Albert Camus, trata de temas como suicídio, abandono e absurda repetição das ações do dia a dia. Nas palavras do diretor Thiago Franco Balieiro, transcrevemos um pouco do que foi o processo de construção do espetáculo.

"Construir um espetáculo no silêncio é algo que se confronta com a vida moderna. Em um mundo efêmero, abarrotado pelos mais diversos sons e volumes, o silêncio, por si, já estabelece um outro tempo-espaço, antagônico ao moderno. Então, porquê fazê-lo? Ora, é justamente essa a questão. Há certos temas e questões intrínsecas ao Homem, que não podem ser tratadas de uma maneira efêmera como tantas outras do dia a dia. Aparte livros e ensaios que tratam do suicídio como um fenômeno social, como se dão os procedimentos internos daqueles que estão prestes a realizá-lo ou apenas cogitam a possibilidade? De qual maneira esses procedimentos podem se desdobrar, senão internamente e em silêncio? O silêncio, esse dilatador temporal, também é um ato de reflexão."

Serão três apresentações, dias 28, 29 e 30/04 ; após a apresentação do dia 30/04 faremos uma Crítica Aberta – cinco críticos convidados pelo grupo coordenarão uma crítica coletiva através de um debate aberto com duração de uma hora.

Sala Carlos Miranda – Complexo Cultural Funarte SP
(Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos)

Espetáculo: Homo Patitur
De 28 a 30 de abril. Sexta e sábado, 21 h. Domingo, 20h
Ingressos: R$ 40 (meia-entrada: R$ 20).
Cartões não são aceitos.
A Bilheteria abre uma hora antes do espetáculo.
Será fornecido um ingresso por pessoa.
Duração: 60 min. Classificação etária: 16 anos.

Ficha técnica:
Direção e dramaturgia: Thiago Franco Balieiro | Ator: Lucas Cabrini | Desenho de luz e operação: Gustavo Gus | Operação de Som: Gabriela Hamati | Figurino: Rosangela Ribeiro | Cenografia: Amanda Venturelli | Projeto gráfico: Angela Ribeiro | Produção: Eco Teatral

Mais informações:
(11) 3662-5177
funartesp@gmail.com

VÍDEO - TREINAMENTO CORPORAL

05 de Novembro, 2016

Vídeo sobre o treinamento corporal do Eco Teatral.

CURSOS DO 2º SEMESTRE

24 de Agosto, 2016

O segundo semestre de 2016 inicia-se com diversos cursos novos na sede do Eco Teatral. Todos os cursos são coordenados por profissionais que já trabalham com o grupo e são responsáveis por por parte do treinamento dos atores. As terças e quintas das 19h às 23h são dedicadas ao Treinamento Corporal para Atores coordenado pelo diretor Thiago Franco Balieiro, as quartas das 20h às 22h é o dia da Dança Afro com percurssão ao vivo de Leandro Perez e coordenada pela talentosíssima Regina Santos, às quintas das 16h às 18h é a vez do Bruno Cavalcanti coordenar um super curso de voz, "A Voz Concreta", para atores inciantes e interessados em desenvolver suas capacidades vocais. Para maiores informações e valores, acessar o menu CURSOS.

PRÁTICAS CORPORAIS

07 de Agosto, 2016

As práticas corporais tem por objetivo a conscientização dos movimentos corporais e instrumentalização do ator em cena. O encontro inicia-se com alongamentos de 01h30 seguido de abertura de espaços no corpo através de pontos na coluna, planta dos pés e ísquio. Após a primeira etapa que tem por objetivo o alinhamento do corpo e a preparação dele para recepção das técnicas, a segunda etapa da prática se da por meio de diversos exercícios oriundos do Butô, Suzuki, CPT e exercícios desenvolvidos pelo próprio grupo.

Thiago Franco Balieiro

FRAGMENTO DE
UMA POSSÍVEL DRAMATURGIA

28 de Agosto, 2014

 

Após dar um tapa na Mulher, o Homem chorando e arrependido senta ela na cama e senta-se no banquinho de frente para ela e de costas para o público.

HOMEM – Ninguém nunca vai saber o que se passa dentro de mim... (Mulher tenta falar e Homem faz gesto de silêncio). Essa noite eu sonhei. Mas será que alguém um dia poderá saber –  não, saber não é a palavra, sentir é a palavra – sentir o que sinto? Não... O que seríamos sem os nossos segredos? Ficaríamos indefesos... Tenho medo do que sonho, tenho medo de ser tão terrível, de ser tão instinto, tão livre. Não há amarras, e isso me apavora. Dormindo estamos mais acordados do que agora, você não acha? Espere, eu mesmo posso responder. Acho que falhamos na tarefa de ser homens, somos restos minha cara!

Thiago Franco Balieiro

SOBRE A QUESTÃO
DAS AUTOBIOGRAFIAS

24 de Janeiro, 2014

 

As autobiografias sempre existiram nas artes, seja na pintura, na literatura ou até mesmo no teatro, haja vista nosso primeiro registro de uma peça ocidental completa com Os Persas de Ésquilo, cujo tema se baseia em fatos vivenciados pelo autor e não em histórias mitológicas.
Todavia, essa onda de autobiografias no teatro contemporâneo é bastante interessante, pois nos faz pensar sobre quais as  causas que levaram a misturar a realidade com a ficção. É claro que as influências e os motivos são muitos, as performances e happenings que surgiram na segunda metade do século XX tem bastante influência desse clamor pela realidade, pelo momento único e irrepetível que nos é apresentado – o teatro ao influenciar no nascimento da performance e dos happenings foi por sua vez influênciado por esses.
Mas me pergunto se essa necessidade ou curiosidade em trilhar novos caminhos, ao misturar a realidade com a ficção, não se deve ao fato da ficção ter se mostrado incapaz de estabelecer uma relação empática ou criar uma "verdade" a qual o homem contemporâneo se tornou indiferente. Uma outra hipótese é – e isso se deve ao fato de acreditar que a peça principal no jogo cênico é o ator e justamente por isso a causa talvez resida aí – que talvez a nossa incapacidade em criar uma ficção verosímil através das más atuações, encenações claudicantes, falta de cuidado com figurinos e luz entre outros, tenha contribuído ao fato de que a dramaturgia atual venha pedindo emprestado a verdade que abarca a realidade. Pois, ao experienciarmos uma obra prima teatral ficcional, não nos sentimos menos emocionados ou representados do que em uma obra onde sabemos que os fatos apresentados são reais. Tudo depende de como a história nos é contada, um mesmo fato, seja ele ficcional ou real, pode nos comover mais ou menos, tudo depende do ator, eis aqui a resposta e o ponto de partida para tudo que diz respeito ao teatro. O fato do intérprete estar emocionalmente ligado ao fato apresentado, não é garantia de que o público irá se envolver mais. A questão não é ser contra ou a favor da realidade na ficção, até porque a essência da arte é a liberdade e só através dela podemos trilhar novos caminhos, mas não creio que as autobiografias tenham um poder empático maior que o da ficção.

 

Thiago Franco Balieiro

E OS ENSAIOS CONTINUAM

24 de Julho, 2013

 

Em meio a mais uma das muitas e desafiadoras semanas de ensaio da nova peça do grupo, EDGAR (livremente inspirada nos romances de Samuel Beckett), o frio desses dias na capital paulista parece nos desafiar, mas sobretudo nos coloca a pensar novamente no por que de levantar às 07h30 da manhã, tomar dois metrôs e um ônibus e ir até a USP para ensaiar uma peça onde nenhum dos integrantes recebe para isso e provavelmente não irá ganhar uma quantia compensatória depois da estreia. Por quê? Porque os temas dos quais a peça trata, tais como a incessante e desenfreada rapidez com que somos asolados todos os dias pelas ideias em um fluxo vertiginoso e o conflito interno entre nossos vários Eus, são relevantes ou até mesmo indispensáveis? Não... Talvez no fundo, façamos teatro simplesmente porque gostamos, talvez o altruísmo da profissão seja bem menor do que julgamos e sejamos bem menos capazes do que gostaríamos, assim como nosso homem Edgar – O Homem que não da conta. Temerosos, mas em frente mesmo assim, esperamos concluir mais esta obra e quiçá ela diga alguma coisa para alguém lá na frente.

 

Thiago Franco Balieiro

© 2012 by Eco Teatral

  • Facebook Clean
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle